Dotenv e variáveis de ambiente no NodeJS

Dotenv e variáveis de ambiente no NodeJS

Tulio Faria
Tulio Faria23 de agosto de 2017

Hoje eu tenho duas dicas, como podemos configurar uma aplicação sem precisar alterar o código fonte. Essa é uma boa prática, apesar de muita gente ainda não usar, então quero reforçar o conceito de como podemos fazer isso. A ideia é que o sistema fique immutable e que a gente construa esse artefato no sistema e se colocarmos em uma máquina de desenvolvimento, ele vira desenvolvimento, em uma máquina de produção vai virar produção, isso baseado somente em variáveis de ambiente. Como pegamos uma variável de ambiente?

console.log(process.env.NODE_ENV)

Ao rodar, perceba que vai dar undefined, porém se fizermos:

NODE_ENV- production node test.js

vamos ter uma variável de ambiente production. Porém se rodar de novo, ele volta para undefined, então quando definimos essa variável ele carrega de forma automática qual banco conectar e qual usuário. Isso fica no ambiente e não mais na aplicação. Mas se toda vez que formos desenvolver tivermos que lembrar as informações, é bastante trabalhoso, correto? Então podemos utilizar um módulo que se chama Dotenv, onde criamos um arquivo com uma variável de ambiente que a gente quer e ele carrega automaticamente:

yarn add dotenv

Já no nosso script, vamos fazer o seguinte:

require('dotenv').load()

Assim carregamos o arquivo .env Agora vamos criar um arquivo na raiz do projeto chamado .env, nele vamos colocar o nome da variável que a gente quer, por exemplo:

NODE_ENV = tulio

Ao rodar novamente percebam que agora vai ser retornado 'tulio'. A ideia é que, na máquina de desenvolvimento, você vai criar o arquivo .env com todas as variáveis que você precisa para rodar na máquina e quando você colocar no servidor, vão ser colocadas essas variáveis no ambiente e não mais no arquivo. Podemos também, se ele estiver em produção, evitar que ele acesse o ambiente de desenvolvimento:

if (process.env.NODE_ENV !== 'production') {
  require('dotenv').load()
}

Quando começamos a utilizar essas técnicas, a nossa aplicação fica muito mais independente, rodando em qualquer lugar, basta que você informe qual a configuração de banco de dados, Mongo, SQL, etc e ela vai se moldar para cada ambiente.

Curta o DevPleno no Facebookinscreva-se no canal e cadastre seu e-mail para não perder nenhuma novidade. Deixe suas dúvidas e sugestões nos comentários. Abraço!

Tulio Faria
Autor
Tulio Faria23 de agosto de 2017

Últimas do Blog